Facções do Ceará fazem ameaças e apologia ao crime em redes sociais

facções fortaleza site

es sociais. Jovens que se autodenominam integrantes das organizações comandadas de dentro de unidades prisionais usam Facebook e outros meios de interação para fazer apologia a crimes, ameaças e contato com criminosos de outros estados. Perfis exaltam as facções do Primeiro Comando da Capital (PCC), Guardiões do Estado (GDE), Comando Vermelho (CV) e Família do Norte (FDN).

Após reportagem publicada ontem pelo O POVO, moradores de comunidades procuraram a Redação e relataram que se sentem atordoados com o clima de terror. Eles apontaram a existência de aproximadamente 20 perfis no Facebook que estimulam a violência entre os grupos organizados rivais no Ceará.

São imagens, por exemplo, de armamento e de corpos de pessoas vítimas de homicídio, acompanhadas de texto assumindo a autoria de crimes. Há ainda fotografias de “decretados” — pessoas marcadas para morrer pelas organizações.

Dentre as postagens, há referência ao triplo homicídio registrado em Horizonte, no último dia 28. As vítimas foram a mãe, o padrasto e a companheira de um integrante da GDE. O suposto autor do crime já foi “decretado” nas redes sociais e teve a foto exposta com os dizeres “matador de mãezinha”.

Há perfis que fazem referência às facções PCC, Comando Vermelho GDE e a grupo presente na comunidade da Babilônia, no bairro Barroso, em Fortaleza.

Por meio deles, criminosos interagem com membros de outros estados, como Rio Grande do Norte e São Paulo, incluindo tanto os que estão na rua como os que estão presos. Entre os que se identificam nas postagens, há uma maioria formada por adolescentes, que não seriam os principais integrantes das facções. Acima nessa hierarquia estão os chamados “gerentes”.

Segurança

O presidente do Conselho Penitenciário do Estado, advogado Cláudio Justa, cita, além do Facebook, o aplicativo de troca de mensagens WhatsApp como uma ferramenta constantemente usada pelas facções, devido à segurança das informações compartilhadas.

“As redes sociais são eficazes instrumentos de promoção e articulação das facções. O Facebook é um canal de promoção da imagem da facção”, ressaltou Justa. Nessa rede, criminosos fazem ameaças e trocam mensagens mesmo em perfis abertos, que qualquer pessoa pode acessar.

Em relatório sobre as causas das rebeliões de maio de 2016, o Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) apontou que houve um “salve geral” por meio do WhatsApp, com instruções para a destruição e matança dos presídios. As mensagens teriam sido determinantes para o início das rebeliões. Na ocasião, 14 detentos foram assassinados. Alguns corpos só foram identificados por exame de DNA.

O POVO enviou todo o material recebido para o Departamento de Inteligência da Polícia Civil na noite de ontem.

 Fonte: O Povo
Compartilhar
ACSMCE
ACSMCE
Este artigo foi produzido por um dos redatores especialistas da base da ACSMCE. Fique ligado, quase todos os dias temos conteúdo novo.

POSTS RELACIONADOS

RELACIONADOS
LOCALIZAÇÃO
Av. Imperador, 1600 - Centro - Fortaleza-CE
CEP: 60015-052
CONECTE-SE
Siga nossas redes sociais e fique por dentro de todas as novidades da ACSMCE.
© 2016 ACSMCE. Todos os direitos reservados